Made In Sertão (Ebner/Pedro)

O meu nome é severino.
Eu sou feio “pra carai”.
Eu já “tô fudido”, e não aguento mais.
E agora vou mim “bora” que se “foda” meu sertão.

Vendi minha mula e uma minha cabrita.
Peguei meu jegue e fui pra minas.
Chegando lá, deu tudo errado.
Morreu o meu jegue e fui roubado.

Vish maria oh my god!
Agora eu to lascado!
Ai que cheiro merda!
Eu to todo mau lavado!

Pobre, feio, sem dinheiro, cabeçudo e pingaiada.
Pobre, feio, sem dinheiro, cabeçudo e pingaiada.
Pobre, feio, sem dinheiro, cabeçudo e pingaiada.

E “pá piorá” minha situação.
Fui parado por um negão.
Fiquei muito empolgado.
Caí no golpe do bilhete premiado.

Perdi todo meu dinheiro.
Que eu tinha na carteira.
Foi-se embora meu chapéu.
E até a minha “pexera”.

Vish maria oh my god!
Agora eu to lascado!
Ai como eu fui burro!
Como fui otário!

Pobre, feio, sem dinheiro, cabeçudo e pingaiada.
Pobre, feio, sem dinheiro, cabeçudo e pingaiada.
Pobre, feio, sem dinheiro, cabeçudo e pingaiada.

No mesmo dia me cansei.
Voltei pro meu sertão.
No caminhão de pau de arara.
Derepente a porta abriu!

Caí no asfalto com a “bunda” no chão!